Zab Judah é preso por dever pensão alimentícia

Judah alegou que não poderia pagar o valor devido (Arquivo)

A cena foi constrangedora e mais semelhante a um duro nocaute. Quatro vezes campeão mundial, o americano Zab Judah, 39, saiu algemado e direto para a prisão para cumprir pena de três meses por dívida acumulada de US$ 120 mil (R$ 378 mil) em pensão alimentícia. A decisão foi definida nesta quarta-feira pelo juiz Robert Calores do Tribunal do Condado de Queens de New York (EUA).

Antes de proferir a sentença, o juiz ainda deu possibilidade de Judah livrar-se da condenação ao sugerir que ele pagasse imediatamente 10% do total devido, ou seja, US$ 12 mil (R$ 37,8 mil). Como o boxeador alegou que não poderia quitar esse valor foi preso e algemado. Antes e trar no tribunal, Judah ainda teve tempo de publicar frase em seu Instagram: “Mantenho o sorriso mesmo na tempestade. Não temo nada ou ninguém, mas somente Deus.”

Judah (43-9-0, 30 KOs) já teve outros problemas com a Justiça. Em junho do ano passado, ele teve encerrada a suspensão de 18 meses imposta pela Comissão Atlética do Estado de Nevada por apresentar documento falso de que não tinha nenhum processo contra ele que, em realidade, ele tinha dívida de pensão. Em 2002, ele foi preso em tribunal de Família quando participava de audiência para discutir a falta de apoio financeiro a uma das filhas, contudo, descobriu-se que ele tinha ordem de ser enviado à cadeia e estava sendo procurado pelas autoridades por não apgar pensão a outra filha recém nascida.

Site põe McGregor como 1.323º em ranking

Conor McGregor só tem uma luta profissional de boxe (Arquivo)

É um critério e não há o que se fazer. O Boxrex, principal site de consulta de registro de boxeadores, classifica Conor McGregor como o 1.332º do mundo dentro da categoria supermeio-médio (69,8k). O irlandês só tem um combate efetuado no último sábado contra Floyd Mayweather, em Las Vegas (Nevada, EUA), no qual foi superado por nocaute técnico no 10º round. Caso o combatente europeu não atue uma única vez nos ringues pelos próximos 12 meses, seu nome será eliminado das classificações do site.

A posição de McGregor (0-1-0) no site pode variar a cada hora/dia, devido às performances de atletas na mesma divisão de peso em combates disputados ao redor do planeta. Atualmente, existem 1.885 atletas posicionados no limite dos 68,9k sendo que a Irlanda, país natal do “Notorius” só tem quatro pugilistas atuando na categoria. Como o Boxrec utiliza sistema computadorizado para classificar os combatentes, o líder é o cubano Erislandy Lara (campeão mundial AMB), seguido por Miguel Cotto que no sábado passado obteve o cetro OMB.

Trout processa OMB em US$ 40 milhões

Processo de Trout saiu dos EUA e foi para Porto Rico, país sede da OMB (Foto: Norm Dettlaff)

O lutador americano Austin Trout, 31, está exigindo indenização de US$ 40 milhões (R$ 126 milhões) da Organização Mundial de Boxe (OMB) alegando ao menos quatro violações da Lei de Reforma de Boxe Muhammad Ali que o prejudicaram em 2015. Todo o trâmite estava em corte no Estado do Novo México, nos Estados Unidos, mas um acordo entre as partes remeteu os autos para Porto Rico, não sem coincidência país sede da OMB. O ianque nunca brigou pelo cetro da entidade e, com essa ação, jamais terá essa possibilidade.

As reclamações de Trout (30-3-0, 17 KOs) são: danos por não cumprimento das regras e dos regulamentos da OMB, danos por fraude ao estatuto da entidade e negligência por deixar que o nome do boxeador fosse excluído do ranking sem justificativa. Para cada uma dessas ações, Trout solicitou US$ 10 milhões (R$ 31,5 milhões). Atenta ao processo, a OMB tem preparado sua defesa e, de acordo com seus advogados, a entidade espera pagar no máximo US$ 80 mil (R$ 252,2 mil) em vez da soma astronômica solicitada por Trout.

Condenação do CMB

Com tantas entidades gerindo o boxe mundial e com tantos interesses econômicos em jogo, em algum momento corre-se o risco de prejudicar um atleta e pagar pelo prejuízo. O caso mais emblemático é o do alemão da categoria meio-pesado (79,3k) Graciano Rocchigiani que ganhou milionária causa contra o Conselho Mundial de Boxe (CMB), em 2004.

O atleta alegou ter sido destituído levianamente em 1998 do título da organização, naquele momento comandada pelo asteca José Sulaimán, e pediu US$ 31 milhões (R$ 97,6 milhões) de indenização. Ao fim do processo, o CMB foi condenado a pagar US$ 3 milhões (R$ 9,4 milhões) divididos em dez parcelas anuais de US$ 300 mil (R$ 945 milhão) até a quitação total. Se fosse obrigada a pagar o valor inicialmente pedido, o próprio Sulaimán disse que CMB teria sido extinto.

Crawford abre mão de cinto FIB e encerra história

Americano Crawford foi pressionado a definir futuro (Foto James R. Burnett)

Menos de duas semanas de marcar história ao acumular na categoria superleve (63,5k) os quatro principais títulos pelas quatro principais organizações do boxe mundial, o americano Terence Crawford, 29, comunicou sua desistência do cetro FIB. O atleta não aceitou a imposição da entidade de que deveria efetuar defesa contra Sergey Lipinets, desafiante obrigatório, cuja oferta de bolsa deveria ocorrer até amanhã.

Crawford (32-0-0, 23 KOs) detinha os cintos CMB e OMB e capturou os AMB e FIB ao suplantar com muita facilidade o namíbio Julius Indongo por nocaute no último dia 19. Sem nada a ver com o problema, o time do cazaque Lipinets (12-0-0, 10 KOs) pretende fazer valer seus direitos e o primeiro nome especulado para disputar o agora vago cinto OMB é o japonês Akihiro Kondo (29-6-1, 16 KOs).

Recorde em pay-per-view para MayMac?

Não há nenhum número oficial, contudo, o confronto entre Floyd Mayweather e Conor McGregor pode ter batido o recorde de todos os tempos em vendas dos pacotes pelo sistema pay-per-view (ppv). Em vídeo publicado em redes sociais mostra declaração do presidente do UFC Dana White de que MayMac comercializou 6,5 milhões em ppv, o que superaria de longe a antiga marca do embate Mayweather-Manny Pacquiao (2015) com 4,6 milhões (veja abaixo a relação histórica das 10 melhores marcas até agora).

Dana White estava ao lado de Snoop Dogg – que grava programa sobre UFC – e do ex-lutador Urijah Faber que foi quem publicou a imagem em seu Instagram (algum tempo depois o vídeo foi retirado do ar). Raramente o fechamento das vendas em pp são anunciadas com tão pouco tempo depois de um combate da grande como foi MayMac o que sugere cautela com os números, porém, todos os indícios apontam para o novo recorde.

As 10 melhores marcas de ppv, com suas respectivas emissoras, até agora são:

10) 1.500.000

Mike Tyson vs Peter McNeeley – 19 de agosto de 1995 (Showtime)

9) 1.590.000

Mike Tyson vs Evander Hoyfield – 9 de novembro de 1996 (Showtime)

8) 1.600.000

Conor McGregor vs Nate Diaz – 5 de março de 2016 (UFC 196)

7) 1.600.000

Brock Lesnar vs Frank Mir 2 – 11 de julho de 2009 (UFC 100)

6) 1.650.000

Conor McGregor vs Nate Diaz 2 – 20 de agoto de 2016 ((UFC 202)

5) 1.970.000

Mike Tyson vx Lennox Lewis – 8 de junho de 2002 (Showtime/HBO)

4) 1.990.000

Mike Tyson vs Evander Holyfield 2 – 28 de junho de 1997 (Showtime)

3) 2.200.000

Floyd Mayweather vs Saul “Canelo” Alvarez – 14 de setembro de 2013 (Showtime)

2) 2.400.000

Floyd Mayweather vs Oscar de La Hoya – 5 de maio de 2007 (HBO)

1) 4.600.00

Floyd Mayweather vs Manny Pacquiao – 2 de maio de 2015 (Showtime/HBO)

Filho de Mayweather vê pai velho e sem retorno

Koraun Mayweather (d): pai precisa perceber que já tem 40 anos (Reprodução)

Nenhuma notícia de eventual quebra de nova aposentadoria de Floyd Mayweather, 40, é verdadeira. E os defensores da ideia de que o multicampeão  nunca mais volte a lutar têm forte referência em sua própria casa. O filho Koraun Mayweather declara firmemente que o pai não tem qualquer chance de retornar e sem qualquer chance de conceder revanche a Conor McGregor, a quem superou por nocaute técnico no último sábado em Las Vegas, Nevada (EUA).

“Meu pai está fora. Ele tem 40 anos e tem de perceber isso. Ele é um homem velho”, reforça Koraun, o filho homem mais novo de Mayweather. De acordo com o primogênito, o pai está mais interessado em focar seus esforços em seus empreendimentos – como a empresa de promoções de boxe e casa de strip tease – o que tomaria todo seu tempo, eliminando sequer a oportunidade de treinar seriamente para mais um combate.

Mayweather (50-0-0, 27 KOs) chegou a ficar afastado das competições por vontade própria em outros momentos, contudo, sempre encontrou justificativas para voltar. Em 2015, após superar o compatriota Andre Berto, ele havia anunciado o retiro definitivo, contudo, subiu ao ringue para efetuar a luta milionária com McGregor. O desempenho abaixo das expectativas, as recorrentes lesões nas mãos e o envelhecimento do corpo devem ser sinais vitais para que o multicampeão jamais reavalie a opção de trocar golpes com qualquer outro adversário.

Mayweather sugere a McGregor ficar no MMA

Mayweather lembra ao irlandês que boxeadores mais jovens são leões famintos (Reprodução)

Primeiro boxeador da história a acumular US$ 1 bilhão (R$ 3,1 bilhões) e apontado com um dos melhores de todos os tempos, Floyd Mayweather tem palavra forte ao apontar futuro de outros atletas. No último sábado, ele superou o astro do MMA Conor McGregor no ringue, interrompendo-o no décimo round no T-Mobile Arena de Las Vegas, estado de Nevada (EUA), e agora indica qual o melhor caminho para o irlandês.

“McGregor é um inferno de lutador, mas eu espero vê-lo no UFC não no boxe”, assinala Mayweather para quem o irlandês seria facilmente derrotado, e por nocaute muito mais rápido, na briga contra pugilistas mais jovens. “Eu tenho 40 anos e fiquei sem lutar por mais e 800 dias. McGregor está ativo, treinando, competindo. Os outros boxeadores são jovens leões. Jogam um monte de combinações a mais que eu. Com certeza McGregor seria derrubado muito antes do que fui capaz de fazer”, comente o multicampeão ianque.

Rose Volante caminha para desafiar título mundial

Faltando poucos degraus para alcançar a chance de disputar o título mundial, a brasileira Rose Volante, 35, mantém ritmo constante e concede nesta sexta-feira revanche para a compatriota Luana da Silva. O embate está marcado para o Ginásio Rebouças da cidade de Santos, litoral do estado de São Paulo (Brasil) e será efetuado dentro da categoria leve (61,2k). No primeiro encontro entre elas, Volante saiu vencedora em decisão unânime dos juízes.

Rose Volante (10-0-0, 5 KOs) teve sólida carreira amadora até decidir pelo profissionalismo em 2014. Ela tem se transformado na maior esperança de conquista de título mundial algo jamais obtido por qualquer outra compatriota pelos quatro principais organismos do esporte. Volante já é a #4 no ranking do Conselho Mundial de Boxe (CMB) e está cada vez mais próxima da possibilidade de desafiar a belga e campeã pela entidade Delphine Persoon.

Infarto mata francesa campeã mundial de boxe

Francesa Angelique Duchemin tinha apenas 26 anos

É um choque total para a comunidade do boxe. Invicta, dona do cetro pena (57,1k) da Federação Mundial de Boxe (WBF) e com carreira bastante promissora, a francesa Angelique Duchemin morreu nesta terça-feira pela manhã vítima de embolia pulmonar. Na noite anterior, ele havia sofrido ataque cardíaco durante treinamento no ginásio de Thuir, sua cidade natal, localizada nos Montes Pirineus. Duchemin tinha apenas 26 anos.

A carreira de Duchemin (14-0-0, 3 KOs) estava em plena ascensão. Ela já havia se consagrado campeã em seu país e obtido o cinto europeu em 2015. Em abril último, ela defendeu o reinado e, logo no mês seguinte, obteve a correia da WBF. Dedicada ao esporte, a boxeadora iniciava a preparação para defender o título em outubro. Por trágica coincidência do destino o pai de Angelique Duchemin também morreu devido a infarto em 2013.

Fraude? Mayweather quis apostar em si mesmo

Mayweather carregava US$ 400 mil em dinheiro vivo para apostar (Arquivo)

Historicamente Floyd Mayweather sempre evitou apostar em suas próprias lutas apesar de ser um conhecido jogador profissional e que aplica muito dinheiro em suas aventuras. Contudo, o americano tentou efetuar aposta em seu triunfo em nove roundes e meio e mesmo em nocaute – como efetivamente ocorreu – contra Conor McGregor. O embate foi disputado no último sábado no T-Mobile Arena de Las Vegas, estado de Nevada (EUA).

Segundo algumas fontes, Mayweather se dirigiu na madrugada do próprio sábado (o combate foi à noite) a um setor de apostas do M Resort em Las Vegas com US$ 400 mil (R$ 1,2 milhão) em dinheiro vivo. Seu desejo inicial focava na interrupção do confronto em nove e meio giros. Como o receptor desconfiou de eventual ilegalidade em um lutador apostar em si mesmo houve atraso na confecção da aposta e foi consultar chefia superior.

Com isso, Mayweather repensou e planejou arriscar mais alto apostando em sua vitória por nocaute. Com a demora na resposta, ele optou por sair do local, mas deixou um amigo com o dinheiro para realizar a transação. Ao que consta esse parceiro só conseguiu aplicar US$ 87 mil (R$ 274 mil) na casa de apostas do resort. Só não se sabe se Mayweather se dirigiu a outro endereço para concluir seus planos.