Wilder está limpo de substâncias proibidas

Wilder foi submetido a exames de doping e foi aprovado em todos (Arquivo)

Todo o alvoroço causado desde ontem pelo flagrante do doping do cubano Luis Ortiz não pode deixar passar despercebido que o americano Deontay Wilder, 31, também foi submetido a vários exames aleatórios realizados pela Vada (Agência Voluntária Antidopagem) e não teve acusado nenhum uso de substância proibida no esporte. O americano é o campeão CMB dos pesos pesados e, por ora, ainda tem agendado combate com Ortiz para 4 de novembro em New York (EUA), mas pouca gente acredita que esse combate seja levado adiante.

Wilder (38-0-0, 37 KOs) tem sido vítima de adversários pegos em irregularidade nos últimos 16 meses. Mesmo assim, ele tem difundiu vídeo nas redes sociais pedindo ao CMB para autorizar o confronto com Ortiz (28-0-0, 23 KOs). “Eu quero lutar com ele. Porque você sabe, esses filhos da puta fazem uso dos PEDs (substâncias para melhoria de desempenho). Se eles precisam de alguma coisa para lutar comigo, tudo bem. Fazer fazer essa merda acontecer”, desabafou o atleta ianque. Dificilmente o CMB aceitará essa solicitação de Wilder sendo que os nomes que aparecem para substituir o cubano são Bermane Stiverne, Dillian Whyte e Amir Mansour.

Ortiz aponta medicação por flagrante de doping

Cubano Ortiz revela necessidade de medicamento para  pressão alta (Arquivo)

Surpreendido com a divulgação de doping por medicação proibida no esporte, o cubano Luis Ortiz, 36, alega que fez uso de droga ministrada sob orientação médica e destinada apenas para controle da pressão alta. O atleta só não soube explicar as razões pelas quais ele e seu equipe não mencionaram o tratamento quando teve material coletado pela Vada (Agência Voluntária Antidopagem). A imprudência ou ilegalidade do caribenho pode afastar-lhe da briga pelo cinto CMB dos pesos pesados contra o americano campeão Deontay Wilder, 31, previamente marcado para 4 de novembro no Barclays Center de Brooklyn, estado de New York (EUA).

Não é primeira vez que Ortiz (28-0-0, 23 KOs) é flagrado em irregularidade. Em 2014, ele foi detectado com nandrolona – um esteroide anabolizante -, perdeu o cinto interino AMB e acabou punido com suspensão de oito meses. Já o Conselho Mundial de Boxe (CMB) prefere não emitir nenhum juízo de valor e diz que o cubano tem direito a pedir exames na chamada amostra B antes de adotar qualquer posição oficial.

Relembre:

Ortiz é pego no doping; luta com Wilder é dúvida

Everton Lopes acelera após hiato de dois anos

Brasileiro Lopes faz segundo combate apenas neste mês de setembro (Divulgação)

Não é hora de perder tempo. O brasileiro Everton Lopes, 29, para para seu segundo combate apenas neste mês de setembro ao subir ao ringue para enfrentar o mexicano Eduardo Rafael Reyes, 26, dentro da divisão leve (61,2k) e previsão de seis rodadas. A luta integra as preliminares de Gary O’Sullivan contra Nicky Quinley a serem disputadas neste sábado no House of Blue Boston , da cidade de Boston, estado de Massachusetts (EUA).

Lopes (5-0-0, 2 KOs) ficou dois anos afastado das competições devido a lesões e necessidade de cirurgia nos ombros. No último dia 1 passado, ele retornou em boas condições físicas e superou com facilidade no segundo round o asteca Daniel Bastien. Contratado da Golden Boy Promotions, o brasileiro é favorito destacado sobre Reyes (8-11-0, 6 KOs).

Relembre:

Lopes volta em boa forma e fulmina Bastien

Por doping, Wilder quer substituir Ortiz

Deontay Wilder teve três rivais flagrados em doping nos últimos 16 meses (Reprodução)

O anúncio de flagrante de doping do cubano Luis Ortiz está fazendo com que o time de Deontay Wilder, 31, passe a avaliar possíveis candidatos substitutos para o combate previamente agendado para 4 de novembro no Barclays Center de New York (EUA). O americano ficou irritado com a detecção de substâncias proibidas nos testes de urina do caribenho e já indicou que não aceita subir ao ringue com um atleta em condições irregulares.

Wilder (38-0-0, 37 KOs) é dono do título CMB dos pesos pesados desde de 2015, está partindo para a sexta defesa e não abre mão de encarar adversários limpos de drogas. Nos últimos 16 meses são três os oponentes flagrados no doping antes de combaterem com o americano e que foram sumariamente afastados: Alexander Povetkin, Andrzej Warwrzyk e agora Luis Ortiz.

Não demorou muito para o britânico Dillian Whyte (21-1-0, 16 KOs) se colocar à disposição para brigar pelo título mundial. Ele está em treinamento regular para lutar em preliminar de Anthony Joshua-Kubrat Pulev em 28 de outubro e ocupa o posto #3 do CMB. Pelas redes sociais, Whyte mandou recado ao campeão pedindo para não criar desculpas e enfrentá-lo. Os representantes de Wilder querem definição em caráter de urgência.

Relembre:

Ortiz é pego no doping; lutar com Wilder é dúvida

Playboy atrai boxeadoras ao redor do mundo

Não foram apenas personalidades, atrizes e modelos que integraram as famosas capas da revista Playboy, cujo fundador Hugh Hefner, 91, morreu nesta quarta-feira em sua mansão em Berverly Hills, em Los Angeles, estado da Califórnia (EUA). Algumas boxeadoras também foram convidadas e não ficaram tímidas em tirar as roupas para povoar o imaginário masculino – dentro e fora do esporte.

A revista foi criada em 1953 e trouxe em sua edição inicial a lendária Marilyn Monroe. Com o passar do tempo, a publicação abriu a possibilidade de circulação diferenciada em cada país e estampou em sua capa pugilistas como Mia St. John (nos EUA), Regina Halmich (na Alemanha) e Mariana “La Barby” Juarez (no México). A mundialmente Mansão Playboy de Beverly Hills também foi palco de alguns eventos de boxe entre 2000-2011 e atletas conhecidos atuaram por lá em início de carreira como os depois campeões mundiais David Haye, Andre Dirrell, Jeff Lacy, Steve Forbes, Mia St. John e Sergey Kovalev.

Ortiz é pego no doping; luta com Wilder é dúvida

Em testes realizados pela Vada (Associação Voluntária Antidopagem), o cubano Luis Ortiz, 38, foi flagrado por uso de losartan, substância normalmente destinada a controle de hipertensão e doença renal em pacientes com diabetes tipo 2. A informação foi dissipada pelo presidente do Conselho Mundial de Boxe (CMB), Mauricio Sulaimán, um grande defensor de atletas limpos no esporte. Com a confirmação do doping de Ortiz o combate com Deontay Wilder, 31, marcado para 4 de novembro, passa a correr sério risco.

O time de Ortiz (28-0-0, 23 KOs) se apressou na defesa, alegando que a droga é ministrada apenas para controle de doença não com objetivo de ganho de performance ou para mascaramento de uso de outras substâncias ilegais. O cubano já havia sido flagrado em exames de doping em 2014 com esteroides anabolizantes e penalizado pela perda do título interino AMB e suspensão de oito meses.

Não por coincidência, Wilder (38-0-0, 37 KOs) se manifestou durante a conferência de imprensa lembrando que o rival já fora identificado por irregularidades no passado e que estivesse insistindo em tal prática seria flagrado mais uma vez… como foi agora. O boxeador ianque, dono do cinto CMB pesado, teve duas lutas canceladas nos últimso 16 meses pelos mesmos motivos: Alexander Povetkin (Rússia) e Andrzej Wawrzyk (Polônia) foram reprovados nos exames antidoping.

Relembre:

Wilder prevê acabar com Ortiz em três rodadas

Holyfield celebra 55 anos com evento próprio

No dia em que estiver completando 55 anos, o lendário Evander Holyfield não ficará ao redor de uma mesa, bebericando com os amigos, apagando velhinhas. A melhor homenagem a ele mesmo virá na promoção de festival com sua empresa promocional, a Real Deal Boxing. No próximo 19 de outubro, Holyfield tem programa marcado para o Georgia Freigth Depot, em sua cidade natal Atlanta, estado da Geórgia (EUA).

De bom relacionamento com o Conselho Mundial de Boxe (CMB), Holyfield conseguiu a disputa de dois títulos menores do organismo: Toka Khan Cary encara Braulio Rodriguez pelo cetro Continental Américas pena (57,k1) e Duke Micah enfrenta Mario Alberto Maldonado pela coroa Internacional galo (53,5k). Por ora, Holyfield tem conseguido realizar seus próprios eventos dentro de um universo dominado por grandes e potentes promotores.

Ex-campeão mundial cruzador e pesado – pelo qual obteve o recorde de quatro títulos -, Holyfield não quer correr o risco de fechar as portas com rapidez como ocorreu com Mike Tyson e o rapper 50 Cent que, sem fôlego e planejamento, encerraram as atividades de suas promotoras sem alcançarem êxito. Holyfield chegou a ganhar perto de US$ 300 milhões (R$ 936 milhões) ao longo de sua carreira, mas faliu por má gestão do dinheiro, péssimos investimentos, gastos desnecessários e processos judiciais.

Esgotados bilhetes para Lomachenko-Rigondeaux

A primeira luta de boxe profissional na história que reunirá dois ex-bicampeões olímpicos caiu em cheio no gosto popular. A prova está venda quae total dos cerca de 5,5 mil ingressos destinados para Vasyl “Hi-Tech” Lomachenko, 29, e Guillermo “El Chacal” Rigondeaux, 36, marcado para 9 de dezembro no Madison Square Garden Theater de New York (EUA). O cubano está subindo duas categorias para desafiar o cetro superpena (58,9k) pertencente ao ucraniano.

Mesmo com poucos combates, Lomachenko (9-1-0, 7 KOs) já conquistou dois títulos na esfera remunerada do boxe ao passo que Rigondeaux (17-0-0, 11 KOs e 1sd) é dono de cinto AMB supergalo (55,3k). Nas útimas horas o ucraniano pdou para ser “rebatizado” no esporte, optando por ter o primeiro nome gravado e passar a ser chamado de Vasily e não mais Vasyl. Mais velho, Rigondeaux completa 37 anos no próximo sábado, dia 30 de setembro.

Halterofilista parte para combates no MMA

Duas faces de Szymon Kolecki: invicto no MMA e ouro em Olimpíada

Um grande atleta sempre busca outros limites. Depois de carreira de sucesso no halterofilismo, incluindo medalha de ouro olímpica, o polonês Szymon Kolecki, 35, tem experimentado as artes marciais mistas (MMA) e já parte para o terceiro combate agendado para 21 de outubro, ainda sem adversário definido. O evento ocorre em Wieliczka, muito cultuado por estar a 125 metros de profundidade onde antes havia uma nina de sal.

Kolecki tem levado o novo esporte a sério, somando duas vitórias por nocaute, em festivais realizados em abril e maio últimos, sempre dentro de solo polonês. De alto perfil no levantamento de peso, o atleta foi campeão europeu, campeão mundial júnior, vice mundial sênior e obteve duas medalhas em Jogos Olímpicos: prata em Sydney (Austrália/2000) e ouro em Pequim (China/2008) depois que o vencedor Ilja Iljin foi desclassificado por doping. Ele deixou a modalidade em 2012.

Fury surge mais obeso e afasta chance de volta

Fury já deteve três cinturões mundiais dos pesados (Reprodução)

Ele nunca foi um exemplo de físico privilegiado, mas agora o exagero revela-se ainda mais intenso. O britânico Tyson Fury, 29, parece cada mais pesado deixando sem esperança quem ainda sonha com seu retorno às competições… ao menos em curto prazo. Na semana passada, ele prestigiou o embate em que o primo Hughie Fury perdeu para Joseph Parker, dono do cinto OMB da categoria máxima do esporte.

Tyson Fury (25-0-0, 18 KOs) não atua desde novembro de 2015 quando surpreendeu o mundo ao tirar três cinturões AMB, OMB e FIB de Wladimir Klitschko. A revanche estava acertada, contudo, o gigante britânico de 2,06m sofreu inicialmente com lesão no tornozelo e, depois, por grave quadro de depressão, incluindo o consumo de drogas ilícitas. Fury ensaiou diversas vezes o retorno aos treinos, tem interesse em brigar por seus antigos títulos, porém, precisa reforçar a dieta para eliminar boa parte de seus atuais 160 quilos.