Triunfo sobre Fandino anima Esquiva Falcão

Falcão (d) foi dominante ao longo de toda a luta sobre o esforçado Fandino (Reprodução)

Em sua segunda luta sob a orientação do treinador Robert Garcia, o brasileiro Equiva Falcão, 27, mostrou sinal de evolução na vitória sobre o espanhol José Miguel Fandino, 33, alcançada por nocaute técnico no sétimo giro. O embate terminou nos primeiros instantes desta madrugada no Osceola Heritage Park da cidade de Kissimmee, estado da Flórida (EUA). Foi a terceira e última apresentação do atleta nacional nesta temporada abrindo perspectiva para voos mais altos em 2018.

“Quero o título mundial no próximo ano”, declara Falcão (19-0-0, 13 KOs) animado com sua performance dominante sobre o apenas esforçado Fandino (11-4-0, 7 KOs). Caminhando sempre à frente, o pugilista capixaba explorou os golpes na linha de cintura e até correu riscos pela estratégia: ainda no primeiro round aplicou três socos ilegais e foi advertido pelo árbitro; na quarta passagem acabou penalizado com um ponto pelo mesma falta.

Mesmo com esses erros, Falcão foi melhor ao longo de toda a noite, chegou a derrubar o oponente duas vezes na terceira etapa, culminando com outra queda no sétimo round. Fandino ainda tentou prosseguir, mas atacado ferozmente viu o terceiro homem no ringue paralisar as ações. Com residência fixada na cidade de Oxnard (Califórnia, EUA) para ficar atrelado ao ginásio do técnico Garcia, o brasileiro não esconde o sonho de revanche cobre o japonês Ryota Murata, atual campeão “regular” AMB médio (72,5k), para quem sofreu derrota na final dos Jogos Olímpicos de Londres (Grã-Bretanha/2012).

Wilder defende em forma; Stiverne é mais pesado

Wilder (e) mantém peso quase igual há três anos e provoca Stiverne (d) 15 quilos mais pesado

É a sexta vez que o americano Deontay Wilder, 32, coloca em jogo o título CMB dos pesos pesados e, por ironia do destino, estará diante de duas coincidências: o haitiano Bermane Stiverne, 39, é o mesmo rival do dia da conquista e o único a terminar um combate em pé contra o ianque. O confronto ocorre neste sábado no Barclays Center do Brooklyn, estado de New York (EUA).

Pesagem oficial:

Wilder 100,1k e Stiverne 115,5k

Demonstrando boa forma física, o destruidor Wilder (38-0-0, 37 KOs) apresentou na balança 100,1 quilos, praticamente igual ao de sua vitória diante do mesmo adversário em 2015. Na contramão da exuberância do americano, Stiverne (25-2-1, 21 KOs) cravou o número em 115,5 quilos, 6,6 quilos a mais que no revés de há quase três temporadas. Wilder (2,01m) também está em melhor ritmo já que atua pela terceira vez somente em 2017, ao passo que Stiverne (1,88k) subiu ao ringue pela última vez em novembro de 2015.

Cubano Ortiz é supenso por um ano pela AMB

Peso pesado cubano Luis Ortiz foi flagrado em exame de doping (Reprodução)

Por trabalhar por um esporte limpo de drogas, a Associação Mundial de Boxe (AMB) decidiu suspender o pesado cubano Luis Ortiz, 38, pelo período de um ano, retirando-lhe ainda a posição de ranking #1 e consequente perda da condição de desafiante obrigatório da categoria. A pena do atleta caribenho é retroativa e passou a contar a partir de 22 de setembro passado, terminando em 22 de setembro de 2018. Ortiz foi flagrado com duas substâncias  proibibas em exames de doping promovidos pela Vada – Agência Voluntária Antidopagem em associação com o Conselho Mundial de Boxe (CMB).

Ortiz (28-0-0, 23 KOs) estava programado para enfrentar o americano Deontay Wilder neste sábado, contudo, sua punição abriu espaço para o haitiano Bermane Stiverne conseguir a revanche diante do ianque. Para que possa alcançar novamente a possibilidade de brigar por cintos da AMB, Ortiz terá de passar por testes ao longo de todo um ano, pagando os próprios custos. Ortiz alegou ter ingerido medicação para controle de pressão alta, porém, nunca comunicou a ação para a Vada tampouco para as entidades do boxe. O cubano também jamais pediu formalmente a abertura da chamada amostra B que poderia comprovar sua inocência.

Relembre:

Ortiz é removido de ranking e suspenso pela AMB

Luta de Esquiva Falcão tem transmissão ao vivo

Brasileiro Esquiva Falcão está invicto em 18 lutas (Reprodução)

Na condição de favorito absoluto, o brasileiro Esquiva Falcão (18-0-0, 12 KOs), 27, poderá demonstrar sua evolução no combate contra o espanhol José Miguel Fandino (11-3-0, 7 KOs), 33, em embate marcado para esta noite no Osceola Heritage Park da cidade de Kissimmee, estado da Flórida (EUA). A luta será pela categoria médio (72,5k) com previsão de oito rodadas e terá transmissão ao vivo para o Brasil pelo Canal SporTV3 a partir das 23h30.

Relembre:

Esquiva Falcão permanece sem luta de 10 roundes

Lewis critica forma de Joshua contra Takam

Antigo campeão dos pesados, Lennox Lewis atua como comentarista de TV (Reprodução)

Comentarista imparcial em suas intervenções, o antigo campeão dos pesos pesados Lennox Lewis, 52, não gostou da forma física apresentada pelo compatriota Anthony Joshua no triunfo sobre o camaronês Carlos Takam, ocorrido no último sábado no País de Gales. Para o lendário campeão, porém, o atual dono dos cintos AMB e FIB da categoria máxima do esporte passou por um grande teste depois de sofrer lesão no nariz ainda no segundo round.

“Não acho que Joshua estava em grande forma, mas nem sempre estamos em nosso melhor estágio físico”, ameniza Lewis. Em seu entender, Joshua sofreu com o ferimento no nariz e, mesmo assim, encontrou maneira de ganhar, mantendo-se focado e controlando a luta. “Muitas vezes, o lutador necessita enfrentar dificuldades para comprovar quem ele é de fato”, analisa o campeão aposentado em 2003.

Relembre:

Joshua fere nariz, cresce e interrompe Takam

Wilder identifica erros na preparação de Joshua

Fury pede ajuda a Trump por luta com Joshua

Luta entre Joshua (d) e Fury é capaz de render fortunas na Grã-Bretanha (Reprodução)

O falastrão ataca mais uma vez. Longe das competições há duas temporadas, o britânico Tyson Fury, 29, sempre consegue criar alguma situação ou efetuar declaração para não ficar fora da mídia. E tem conseguido. Desta feita, o gigante de 2,06m fez apelo ao presidente americano Donald Trump para que o auxilie na eventual realização de confronto com Anthony Joshua, dono dos cintos unificados AMB e FIB dos pesos pesados.

“Se você (Trump) quiser pode me escoltar até o ringue e fazer parte da maior luta da história do boxe”, escreveu Fury (25-0-0, 18 KOs) nas redes sociais. No passado, Trump esteve envolvido com o esporte das luvas, notadamente pela cessão de seus hotéis para a produção de eventos. Do outro lado da mesa, Eddie Hearn, promotor de Joshua (20-0-0, 20 KOs), gosta da ideia da luta que renderia fortunas na Grã-Bretanha, mas sabe que Fury ainda precisa recuperar a licença de pugilista, bem como se apresentar em forma física mais adequada que seus atuais 160 quilos.

Capa da Combat Sport traz sonhos de Rose Volante

Volante é capa da Combat Sport nº 78

A mais nova edição da influente revista Combat Sport traz na capa matéria especial sobre uma das boxeadoras mais importantes do esporte brasileiro. Com o título “Rose ‘The Queen’ Volante – Uma rainha em busca da coroa mundial”, o texto trata da incrível evolução da atleta que, há alguns anos, ostentava absurdos 105 quilos.

Em esforço próprio, ela reduziu todas as medidas, alcançou a categoria adequada em torno dos 61 quilos, integrou a Seleção Brasileira de boxe, acabou reserva do time nos Jogos Olímpicos de Londres (Grã-Bretanha/2012) e, em 2014, optou pelo profissionalismo. Invicta em 12 combates, Rose Volante se diz preparada para disputar o cetro mundial caso a oportunidade surja a qualquer momento. Por sua história de vida, ninguém duvida de seus sonhos. Simplesmente imperdível.

Esquiva Falcão permanece sem luta de 10 roundes

Medalha de prata em Londres, Falcão chega à sua 19ª luta profissional (Reprodução)

Não será desta vez que o invicto brasileiro Esquiva Falcão, 27, atuará em combate com previsão de ao menos 10 rodadas. Mesmo sendo um medalhista de prata olímpico, com mais de 200 lutas no amadorismo, o atleta alcança sua 19ª participação no boxe remunerado diante do espanhol José Miguel Fandino, 33, mas para só oito etapas no evento marcado para esta sexta-feira no Osceola Heritage Park da cidade de Kissimmee, estado da Flórida (EUA). O embate é pela divisão médio (72,5k).

Em apenas seu terceiro combate nesta temporada – sua pior média desde a estreia em 2014 – Falcão (18-0-0, 12 KOs) é favorito absoluto sobre Fandino (11-3-0, 7 KOs) e não será surpresa se obtiver triunfo pela via rápida. O que ainda não se encaixa na trajetória profissional do brasileiro é que outros competidores contemporâneos e medalhistas nos Jogos Olímpicos de Londres (Grã-Bretanha/2012) partiram para lutas de 10 giros com maior brevidade e atingiram títulos mundiais em menor número de apresentações.

Carreiras mais rápidas

Algoz de Falcão em solo britânico, o japonês Ryota Murata brigou pelo cetro mundial com 13 lutas e, na seguinte, foi campeão (médio, 72,5k). O ucraniano Vasyl Lomachenko lutou pela coroa logo na segunda aparição, conquistou o cinto na terceira (pena, 57,1k) e já no sétimo combate obteve o bicampeonato em segunda categoria de peso (superpena, 58,9k).

Astro dos pesos pesados, Anthony Joshua passou a deter cinturão mundial na 16ª apresentação, acumulou outro cinto no embate seguinte, tendo efetuado quatro defesas exitosas – tudo com somente 20 lutas no registro. A irlandesa Katie Taylor sagrou-se campeã mundial no último fim de semana (leve, 61,2k) ao subir ao ringue em apenas sete ocasiões. Até mesmo o irmão mais velho Yamaguchi Falcão teve carreira mais acelerada ao obter coroa latina no 11º confronto (médio, 72,5k). Para quem como Esquiva Falcão sonha em disputar título mundial em 2018 é mais que necessário ampliar os roundes e a experiência para estar em condições de desafiar qualquer campeão.

Relembre:

Esquiva Falcão faz última luta do ano na Flórida